III Encontro: Torre de Babel

 

por Espaço Cultural da SBPRP

As Matrizes Míticas na Obra de Bion – III Encontro

Bion considera os mitos coletivos como um acervo da humanidade, que podem auxiliar-nos na ampliação dos elementos alfa, necessários para sonharmos a sessão analítica.

Dando continuidade ao estudo dos mitos que este autor destaca, desta vez vamos abordar o relato bíblico da Torre de Babel. Esta narrativa nos conta que os habitantes que povoavam a terra, após o dilúvio, tiveram a iniciativa de construir uma cidade e uma torre que alcançasse o céu. Encarando esse feito como um ato de arrogância, auto-suficiência dos homens, Deus desceu à terra e confundiu a linguagem de todos, para que não se entendessem uns aos outros, dispersando-os sobre toda a face da terra.

Com sua liberdade de pensar/sonhar, em Cogitações (2000) Bion[1] nos traz um vértice instigante: usa esse mito como modelo para lidar com a situação emocional caracterizada pela destruição da função alfa. Enfoca a hostilidade da Deidade, que pune os homens, atacando os vínculos através da linguagem que tornava possível a colaboração entre eles.

Utilizando esse mesmo modelo da Torre de Babel, também podemos pensar na falta de integração entre os vários aspectos do mundo interno de um mesmo indivíduo, ou ainda podemos refletir sobre a “confusão de línguas” que pode ocorrer entre representantes de diferentes “escolas” psicanalíticas.

Imagem: Hendrik III Van Cleve – 1585

Para desenvolver estas e outras concepções sobre o mito em questão, no dia 7 de outubro às 9h30, contaremos com duas convidadas especiais:

Eva Migliavaca

Psicanalista. Membro Efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo. Professora Titular no Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Pesquisadora das intersecções entre Psicanálise e Mitologia, em especial os Mitos e a Tragédia Grega. Tem publicações nacionais e internacionais na área.

Marisa Giannecchini Gonçalves de Souza

Graduação em Letras Românicas e Letras-Grego pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Mestrado e Doutorado em Relações Intersemióticas e Estudos Literários (área de concentração, Grego Antigo) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Pesquisadora da Pós-Graduação da UNESP de Araraquara. Membro do atelier sobre semiótica na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Tradutora e parecerista de livros, artigos e teses. Publicações em revistas científicas. Consultoria de trabalhos acadêmicos. Sócia pesquisadora da ABES – Associação Brasileira de Estudos Semióticos. Coordenadora da Evohé Espaço Cultural, em Ribeirão Preto, São Paulo.

Contamos com a presença de vocês!

[1] Bion, W. R. Cogitações. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: